Localização e Caracterização do Meio Envolvente

O Agrupamento de Escolas Michel Giacometti, situa-se na vila da Quinta do Conde, no Concelho de Sesimbra e encontra-se no limite dos Concelhos de Sesimbra, Seixal, Setúbal, Palmela e Barreiro. A população residente na localidade é oriunda de variadíssimas regiões do país, das ex-colónias e de países de imigração.

A actividade sócio-económica dominante é o pequeno comércio e a pequena e média indústria.

Relativamente às estruturas sócio-culturais existentes na vila, são de salientar algumas Associações Recreativas e Desportivas, um Mini-Centro Cultural Jovem, muitos bares, pubs, discotecas e salões de jogos.

No que respeita a infra-estruturas de base, foram criados: um posto de Correios, um posto de Bombeiros, um posto da G.N.R., um Centro de Saúde e várias Agências Bancárias e, mais recentemente, um Pavilhão Municipal Gimno-Desportivo, construído junto à nossa escola e utilizado na disciplina de Educação Física. A povoação embora relativamente próxima dos centros urbanos (Setúbal a vinte quilómetros, Sesimbra a quinze quilómetros e Lisboa a vinte e cinco quilómetros), viu melhorado o serviço de transportes públicos com a entrada em funcionamento da estação de Coina, da Fertagus. Devido à vasta área que abrange (dado que o tipo de habitação mais comum é a vivenda unifamiliar), grande parte dos alunos beneficia de transporte escolar.

A propósito da Quinta do Conde:

Resumo histórico da Quinta do Conde

Perdem-se ao longo dos tempos as referências a este lugar. Com rigor, pode afirmar-se que o Mosteiro de S., Vicente de Fora se tornou proprietário da então denominada Quinta da Ribeira de Coina, a partir do início do século XIII. São desse tempo os registos de venda efectuados por Pedro Gonçalves e m. Teresa (Abril de 1230), João Pedro e m. D. Maior (Maio de 1232). O Mosteiro de S. Vicente aforava posteriormente estas propriedades, acontecendo por vezes que os titulares do aforamento, voltavam a arrendar. Foi assim, até 30 de Maio de 1834.

Uma das mais poderosas famílias do Reino, a dos Condes de Atouguia, tornou-se no século XVI foreira da Quinta da Ribeira de Coina. Álvaro Gonçalves de Ataíde (provavelmente o irmão de D. Luís de Ataíde, 3º Conde de Atouguia), acordou, na escritura de emprazamento de 8 de Junho de 1573, o pagamento de 12$000, 2 capões e 2 cabritos, pela Quinta de Coina, com suas casas, terras, matos, pinhais, vinhas, pomares e várzea. O último Conde de Autoguia, D. Jerónimo de Ataíde foi implicado no processo que o Marquês de Pombal moveu àquela família e supliciado em 1759. Para a Quinta ficou o nome de Quinta do Conde.

Por Decreto de 30 de Maio de 1834, as Ordens Religiosas foram extintas e os seus bens incorporados na Fazenda Nacional. A Quinta do Conde passou desta forma a propriedade do Estado, que a colocou para a venda em hasta pública, através de anúncio publicado a 20 de Agosto de 1834, atribuindo-lhe o valor de 10:000$000, ou 10:041$770, «com os objectos da Ermida e pertenças da lavoura». No anúncio refere-se que a pertencia ao extinto Convento dos Cónegos Regulares de Santo Agostinho.

Não se sabe por que razão não foi licitada na data prevista, a 10 de Setembro de 1834, contudo, sabe-se que, por anúncio publicado a 2 de Novembro de 1835, voltou à praça a 14 de Dezembro de 1835, incluída na lista nº 20, sob o nº 360, avaliada em 10:000$000 e descrita assim: »Quinta do Conde, que consta de casas, terras de semear, vinha, pinhal e matos, e tem a sua ermida». Foi arrematada por José António da Fonseca, para o filho, o conhecido José Maria da Fonseca, por 21:200$000.

Sofia Augusta da Fonseca Barros, filha de José Maria da Fonseca, casada com o historiador Henrique Gama Barros, herdou em 1886, a Quinta do Conde. Em 20 de Outubro de 1892, hipotecou a Quinta do Conde à Companhia Geral do Crédito Predial Português, em troca do empréstimo de 14.580$000. Esta hipoteca foi cancelada a 8 de Março de 1904.

Henrique da Fonseca Barros, filho do anterior casal, casado com, Antónia Soares Franco, assume em 1908, a posse da Quinta do Conde por falecimento da mãe.

Cristina de Barros de Meneses e Castro, prima de Henrique da Fonseca Barros, e na ausência de herdeiros directos, quando este faleceu a 10 de Maio de 1945, tornou-se dona da Quinta do Conde, assim descrita na escritura de partilhas efectuada a 20 Janeiro de 1951: «Consta de casas nobres de habitação, celeiros, adegas, lagares, abegoarias, palheiros, casa de malta e mais pertenças, terras de semeadura, vinhas quase todas e recente plantação, pinhais, matos e árvores frutíferas».

João António de Meneses Pitta e Castro da Penha e Costa, representou os herdeiros de Cristina de Barros Pitta Meneses e Castro na transacção com António Xavier de Lima efectuada no início da década de 70. Este começou por remodelar os celeiros e adaptá-los a restaurante (Restaurante Quinta do Conde), que abriu no final de 1970, com a iniciativa de grande impacte mediático.

Paralelamente, António Xavier de Lima procedeu à abertura de arruamentos, ao parcelamento da propriedade em lotes e consequente transacção, tudo isto em desacordo com a lei vigente. O preço, a falta de habitação reinante, a proximidade dos grandes complexos industriais empregadores e das praias da região, foram factores decisivos no sucesso do negócio. Para muitos operários de rendimentos limitados concretizava-se aqui o sonho de possuir casa própria: uma vivenda no meio do pinhal. Porém, com a expansão da construção - dita clandestina - veio a dura realidade, que evidenciou o trabalho por fazer: um plano, rede de águas, electricidade, saneamento, escolas, telefones, distribuição domiciliária de correio, assistência médica, segurança pública, enfim, tudo o que dum aglomerado populacional pressupões vivência urbana.

O primeiro passo na resposta aos anseios da população residente foi a elaboração e posterior aprovação de um plano de urbanização minimamente consensual. Depois veio a resposta às principais carências. E de tal forma a Quinta do Conde evoluiu, que em 1979, foi apresentado na Assembleia da República um projecto de lei com a criação da freguesia. Uma aspiração que se concretizou em Outubro de 1985. Outro marco importante foi a elevação a Vila decretada pela Assembleia da República em 21 de Junho de 1995.

In, Criação dos Símbolos Heráldicos da Quinta do Conde, edição da Junta de Freguesia da Quinta do Conde.

muralbWebmasterMichelGiacometti@gmail.com